A caseína também está fora

Uma das fortes razões pelas quais decidi retirar o leite de vaca da alimentação da Luisa foi porque a caseína, que é a proteína do leite de vaca, interfere indiretamente na absorção de dois elementos fundamentais para o melhor desenvolvimento da pessoa com síndrome de Down, o folato e o zinco. Interfere indiretamente no caso do folato porque a caseína dificulta a absorção da cisteína, que é a forma pela qual o folato é absorvido. E interfere indiretamente na absorção do zinco porque a caseína potencializa os efeitos dos fitatos presentes nos cereais integrais, leguminosas e sementes, diminuindo ainda mais a absorção do zinco, já afetada pela ação dos fitatos. Mesmo que o efeito indesejado do fitato seja consideravelmente reduzido ao se  colocar os cereais, as leguminosas e as sementes de molho em água por oito horas antes de consumir/cozinhar (e descartar a água), ainda assim é melhor evitar a caseína.

Como se isso não bastasse, são cada vez mais frequentes as advertências sobre os malefícios causados pelo leite animal à saúde, mesmo das pessoas que não têm alergia à caseína ou intolerância à lactose. A quantidade de hormônios e de toxinas presentes no leite, as pesquisas que associam o consumo de leite ao surgimento de câncer de ovário e de próstata e as dúvidas razoáveis sobre a real absorção do cálcio presente no leite de vaca, o tornam um alimento no mínimo controverso nos dias atuais. Por essas razões a Universidade de Harvard retirou o leite de vaca da base de sua pirâmide alimentar desde 2013, recomendando a diminuição do consumo diário dos laticínios de forma geral. Diz o Guia da Universidade de Harvard:  The guidelines’ recommendation to increase the intake of low-fat milk and dairy products seems to reflect the interests of the powerful dairy industry more so than the latest science. There is little, if any, evidence that eating dairy prevents osteoporosis or fractures, and there is considerable evidence that high dairy product consumption is associated with increased risk of fatal prostate and maybe ovarian cancers. 

O Guia completo pode ser lido aqui:  http://www.hsph.harvard.edu/nutritionsource/pyramid-full-story/

Ao tomar conhecimento dessas informações, decidi substituir gradualmente a fórmula que Luisa tomava por leite vegetal, porém, os planos para a substituição gradual foram alterados porque, a partir dos quatro meses (e durante um mês inteiro), Luisa apresentou sintomas de alergia à caseína. Começou com uma obstrução das vias aéreas superiores que não melhorava com nada. Luisa estava sempre com os seios da face congestos, os olhos lagrimando em razão da obstrução dos canais lacrimais e até terçol teve. Surgiram erupções ao redor da boca, que logo passaram a aparecer por toda a face. Havia, concomitantemente, distúrbios gastrointestinais. Foram trinta dias inteiros de angústia e de diagnósticos inconclusos, até que tudo se resolvesse no teste da retirada da oferta do alimento.

Foi só retirar a fórmula de leite de vaca que a mudança na Luisa foi imediata. Em menos de 48 horas sumiram as erupções, diminuiu consideravelmente o marmoreamento da pele. O tom avermelhado de seu rosto, que eu achava ser natural, desapareceu, assim como o excesso de bochechas, que eu achava que eram fofurices de bebê, mas que na verdade eram só inchaço. A congestão acabou, assim como os olhos lacrimejantes. Com os leites vegetais também o intestino, pela primeira vez, funcionou perfeitamente.

Pesquisei e li mais sobre o assunto e percebi que a questão é bastante complexa. O Guia da Organização Mundial de Alergia me ajudou bastante a compreender o quadro alérgico que se estabeleceu. Esse guia pode ser baixado aqui: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1399-3038.2010.01068.x/pdf

E assim, ao final do quarto mês, os planos de fazer uma lenta transição entre o leite animal e os leites vegetais deram lugar à substituição imediata da fórmula por leite de amêndoas e de avelãs. Inicialmente Luisa perdeu peso, mas logo recuperou. Hoje já está com a mesma fofurice de antes e certamente bem mais saudável.

O primeiro (e espero que o último) terçol =/
O primeiro (e espero que o último) terçol =/
Pálpebras inchadas e erupções começando a aparecer por todo o rosto
Pálpebras inchadas e erupções começando a aparecer por todo o rosto

2 comentários em “A caseína também está fora”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s