Entre avanços e turbulências

Após os dez meses, teve início um período de muitos avanços no desenvolvimento, muitas aquisições, mas também de muitos problemas de saúde. Enquanto por um lado comemorávamos ter conseguido filmar as palminhas do parabéns, cujo comando ela já obedecia desde os nove meses, por outro os sucessivos resfriados, que resultaram em mais uma visita à emergência médica, nos deixavam cada vez mais preocupados.

Vídeo da Luisa batendo palminhas pro parabéns: http://scontent.cdninstagram.com/hphotos-xpf1/t50.2886-16/11000752_871934136196319_1485165790_n.mp4

E “examinando” sua ficha de atendimento na emergência:

FullSizeRender

À época, eu não conseguia entender o motivo da fragilidade imunológica que permitia tantas viroses e resfriados, já que ela estava tomando um suplemento completo, específico para a síndrome de Down e elaborado a partir do que se estabeleceu como  a demanda média de um organismo em que existe uma trissomia cromossômica e, por decorrência, mais atividade gênica (uma superexpressão gênica), o Nutrivene D. Mas, após algum tempo entendi a causa. Conversando com meu amigo Rogério Lima e detalhando a ele os aspectos de coloração e consistência do multivitamínico nesse período, chegamos à conclusão que é possível que tenha ocorrido oxidação do produto, pois eu não o conservei em geladeira e, com a temperatura média e umidade relativa do ar da minha cidade, essa providência (recomendada pelo laboratório, inclusive) se faz necessária.

Assim, a partir dos dez meses, quando o pote do multivitamínico já estava há quatro meses sendo aberto duas vezes ao dia (o primeiro pote durou bastante porque Luisa tomava a dosagem mínima), sem que eu me desse conta do que na verdade estava ocorrendo, Luisa começou a apresentar sintomas de uma baixa imunidade que, muito provavelmente, decorria da insuficiência de nutrientes, especialmente de zinco.

Mesmo com uma alimentação impecável (muito embora sem carne vermelha uma vez por semana, como recomendou o Dr. Zan), o fato é que o organismo da Luisa demanda mais nutrientes do que os ofertados pela alimentação, por isso a partir  dos dez e até os doze meses, quando, de posse dos exames semestrais, finalmente descobri o que estava acontecendo, as viroses se repetiram até o início de um quadro de broncopneumonia.

Porém, tão logo identificado o problema, adotei a dica valiosa de outra mãe e tomei a providência de mandar separar as doses diárias do Nutrivene em sachês individuais, na farmácia de manipulação em que sou cliente, além de armazenar os sachês e o pote de enzimas, mais o pote do Nutrivene noturno, na geladeira. Tal providência também estendi ao Curcumin, que comecei a ofertar a partir dos 10 meses.

Além dessa baixa de imunidade, a partir dos dez meses Luisa também começou a apresentar um balanço involuntário de cabeça, que mais tarde viríamos a descobrir que se tratava de spasmus nutans, mas essa é uma outra história.

Felizmente nem tudo nesses dois meses foi resfriado, virose e balanço de cabeça. Os onze meses chegaram com muita faceirice:

FullSizeRender

E encontraram a coelhinha, que já se levantava nos móveis, dominando as artes de caminhar lateralmente e de fazer fotos icônicas com o papai:

FullSizeRender[1]FullSizeRender[2]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s